Apoio a nossos irmãos católicos perseguidos na China

25 Fevereiro, 2018

Compartilhe esta petição:

“Bem-aventurados os que são perseguidos por amor à justiça, porque deles é o Reino dos céus!” (Mat. 5, 10); “se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia” (Jo. 15, 18-19).

Essas divinas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo exprimem nossa admiração à única Igreja Católica na China, hoje sob a bota comunista, e que tem no Emmo. Cardeal Joseph Zen um egrégio membro e porta-voz.

Com efeito, causou pasmo no mundo católico a noticia da visita à China de uma delegação vaticana liderada pelo Arcebispo Claudio Maria Celli que, em nome do Papa Francisco, pediu aos legítimos pastores das dioceses de Shantou e Mindong que entregassem suas dioceses e seus rebanhos a bispos ilegítimos nomeados pelo governo comunista e rompidos com a Santa Sé.

Pouco depois, após visitar esse país esmagado por uma ditadura inclemente, o Arcebispo Sánchez Sorondo, Chanceler da Pontifícia Academia das Ciências e da Academia Pontifícia das Ciências Sociais, declarou: “Neste momento, os que melhor praticam a doutrina social da Igreja são os chineses [...]. Os chineses procuram o bem comum, subordinam as coisas ao bem geral“.

Nem uma só palavra sobre a perseguição religiosa que o comunismo inflige aos nossos irmãos na Fé – bispos, padres e fiéis prisioneiros –, nem à violação sistemática e universal dos direitos fundamentais do homem criado à imagem e semelhança de Deus.

O drama da atual situação dos católicos chineses é o de todos os fiéis que desejam perseverar diante do Leviatã comunista. Ontem como hoje, pressionados pela diplomacia da Santa Sé para aceitarem um acordo iníquo com o regime comunista, enfrentam um gravíssimo problema de consciência: é lícito dizer não à Ostpolitik vaticana e continuar resistindo ao comunismo até o martírio se necessário for?

A solução para tal perplexidade já foi enunciada pelo eminente líder católico brasileiro Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, fundador da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, e inspirador de TFPs e entidades afins nos diversos continentes. O documento publicado em 1974 e intitulado A política de distensão do Vaticano com os governos comunistas — Para a TFP: omitir-se? Ou resistir?¹ foi divulgado em todo o orbe.

No referido documento está demonstrado que aos católicos daquela época como aos de hoje, como aos de amanhã, é não somente lícito, mas até um dever imitar a atitude de resistência do Apóstolo São Paulo em face de São Pedro, o primeiro Papa:

"Tendo o primeiro Papa, São Pedro, tomado medidas disciplinares referentes à permanência no culto católico de práticas remanescentes da antiga Sinagoga, São Paulo viu nisto um grave risco de confusão doutrinária e de prejuízo para os fiéis. Levantou-se então e ´resistiu em face´ a São Pedro (Gal. II,11). Este não viu, no lance fogoso e inspirado do Apóstolo das Gentes, um ato de rebeldia, mas de união e amor fraterno. E, sabendo bem no que era infalível e no que não era, cedeu ante os argumentos de São Paulo. Os Santos são modelos dos católicos. No sentido em que São Paulo resistiu, nosso estado é de resistência”.

Assim sendo, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira e associações autônomas e coirmãs de todo o mundo, bem como os milhares de católicos que juntam suas assinaturas à Mensagem dirigida agora ao Cardeal Zen e aos nossos heróicos irmãos católicos da “Igreja clandestina” perseguidos na China:

1. Manifestam ao Emmo. Cardeal Joseph Zen, a toda a hierarquia, clero e povo católico da China, sua admiração e sua solidariedade moral, nesta hora em que urge erguer a resistência ante o Moloch comunista e a Ostpolitik vaticana. Os bispos e sacerdotes da perseguida Igreja clandestina na China, que ora resistem, estão sendo para o mundo inteiro um símbolo vivo do “bom pastor que dá sua vida pelas ovelhas”.

2. Afirmam que haurem alento, força e esperança invencível do épico exemplo dos atuais mártires que perseveram na China. Nossas almas católicas aclamam estas nobres vítimas: “Tu gloria Jerusalem, tu laetitia Israel, tu honorificentia populi nostri” (Judith 15,10). Esses mártires constituem a glória da Igreja, a alegria dos fiéis, a honra dos que continuam a luta sacrossanta.

3. Elevam suas preces a Nossa Senhora Imperatriz da China, para que com desvelo de Mãe socorra e dê ânimo aos seus filhos que lutam para se manterem fiéis apesar de circunstâncias tão cruelmente hostis.


(1) A íntegra do Manifesto pode ser lida em https://ipco.org.br/a-politica-de-distensao-do-vaticano-com-os-governos-comunistas-para-a-tfp-omitir-se-ou-resistir/

Associações coirmãs e afins que também subscreveram a carta:

Asociación Civil Fátima La Gran Esperanza – Argentina

Asociación Acción Familia – Chile

Associazione Tradizione Famiglia e Proprietà – TFP – Itália

Ufficio da TFP de Roma

Sociedad Colombiana Tradición y Acción – Colômbia

The Canadian Society for the defence of Christian Civilization – Canadá

The American Society for the Defense of Tradition, Family, and Property -TFP – Estados Unidos da América

Tradición y Acción – Espanha

Instytut Ks. Piotra Skargi – Polônia

The Philipippine Crusade for the Defense of Christian Civilization Inc. – Filipinas

Société Française Pour La Défense de la Tradition, de la Famille et de la Propriété – TFP – França

Tradición y Acción por un Perú mayor – Perú

Österreichische Gesellschaft zum Schutz von Tradition, Familie und Privateigentum – Áustria

Family Action South Africa – África do Sul

Krikš?ioniškosios Kult?ros Gynimo Asociacija – Lituânia

Australian TFP – Austrália

Federation Pro Europa Christiana

Deutsche Gesellschaft zum Schutz von Tradition, Familie und Privateigentum – Alemanha

Centro Cultural Cruzada – Colômbia

Tradición y Acción por un Uruguay Auténtico, Cristiano y Fuerte – Uruguai

Young South Africans for a Christian Civilisation (Y.S.A.C.C.) - África do Sul

Sociedad Paraguaya de Defensa de la Tradición, Familia y Propriedad – TFP

Tradition, Family, Property Association – Reino Unido

Instituto Santo Condestável – Portugal

Irish Society for Christian Civilisation – Irlanda

Jornada de Cultura Hispanoamericana por la Civilizacion Cristiana y la Familia

Sociedad Ecuatoriana Tradición y Acción – Equador

Cubanos Desterrados

Personalidades:

Toni Brandi – Presidente della Laogai Research Foundation-Italia

Roberto de Mattei – Presidente della Fondazione Lepanto

O aborto provocado — qualquer que seja o pretexto para perpetrá-lo — acarreta a morte cruel e injusta de um ser humano inocente, e por isso constitui grave violação da Lei de Deus.

O aborto direto, quer dizer, querido como um fim ou como um meio, é gravemente contrário à lei moral:

Não matarás o embrião por aborto e não farás perecer o recém-nascido

Deus, senhor da vida, confiou aos homens o nobre encargo de preservar a vida, para ser exercido de maneira condigna ao homem. Por isso a vida deve ser protegida com o máximo cuidado desde a concepção. O aborto e o infanticídio são crimes nefandos.

Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil e Diretor do IPCO, em seu discurso de encerramento da Marcha pela Vida Brasil ocorrida em 30/09/2018, lembrou que o aborto, acima de tudo, é uma grave ofensa a Deus Nosso Senhor. A indignação por esta grave violação dos Direitos de Deus deve ser o principal motivo pelo qual devemos rejeitar o aborto!

Por isso, preencha o formulário ao lado, assine e compartilhe essa petição e vamos fazer algo para barrar essa "vanguarda da morte"!

Sobre o abaixo-assindo:

— Tendo em vista as inúmeras tentativas de ampliar a já inaceitável prática do aborto no Brasil, através de decisões judiciais ou de projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional;

— Tendo em vista a recente tentativa de descriminalizar o aborto até a 12º semana de gestação através da absurda ADPF 442 em julgamento no STF;

— Tendo em vista que o aborto provocado — qualquer que seja o pretexto para perpetrá-lo — acarreta a morte cruel e injusta de um ser humano inocente, e por isso constitui grave violação da Lei de Deus;

— Tendo em vista que a prática do aborto é rejeitada pela imensa maioria de nossa população:

Nós, abaixo assinados, solicitamos aos Congressistas que seja aprovada uma emenda constitucional que proteja eficazmente a vida dos entes humanos em fase de desenvolvimento no ventre materno.

A legislação atual não é satisfatória, porque reconhece que o aborto é um crime, mas não o pune em duas situações específicas. Pior ainda seria permitir, por via legislativa ou judiciária, a ampliação desse delito. Lamentavelmente, já há várias iniciativas para descriminalizar o aborto, por qualquer motivo, até os três meses de gestação. Há vozes ainda mais radicais, que defendem a completa liberalização do aborto até os nove meses de gestação!

Para evitar mais esse passo rumo ao aborto livre, exigimos que o direito à vida seja efetivamente protegido, sem que se permita a ampliação do aborto no Brasil.

Senhores Congressistas, nascer é um direito inalienável e precisa ser defendido em nossa Constituição de forma clara, para que o direito à vida não se torne puramente virtual e para que a proteção dos fracos e dos indefesos seja realmente uma das estrelas de nosso firmamento, no qual o Cruzeiro do Sul é símbolo eloquente da bênção do Cristo Redentor sobre nossa Pátria.

Não rejeitemos essa bênção com a ampliação da lei do aborto!

Por isso, preencha o formulário ao lado, assine e compartilhe essa petição e vamos fazer algo para barrar essa "vanguarda da morte"!

Assine Já

15.214 Apoiantes

Objetivo 20.000

Nota: Ao assinar, você aceita receber atualizações do IPCO. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento. Política de Privacidade

A luta começa com você.

Não esqueça de compartilhar esta petição.